sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Via Sacra lança CF 2011 em Vitória-ES

O próximo dia 13 de março será marcado pela Abertura da Campanha da Fraternidade 2011 através de importante celebração da devoção popular. Os fiéis da Arquidiocese serão motivados a discutir sobre o tema Fraternidade e a Vida no Planeta, percebendo que a atual conjuntura ambiental, em especial o aquecimento global e as mudanças climáticas, é a grande responsável pela destruição da Mãe Terra e pelas conseqüentes catástrofes atuais e futuras.
Com o tema “Fraternidade e a Vida no Planeta” e o lema “A criação geme em dores de parto”, a CF 2011, assim como as anteriores, quer ajudar a construir novas relações, apontando princípios para a justiça social, denunciando as ameaças e violações da dignidade e dos direitos humanos e, consequentemente, abrindo caminhos para a prática da solidariedade.
A Coordenação de Pastoral da Arquidiocese espera que a Campanha da Fraternidade contribua para a vivência do espírito quaresmal, promovendo a conversão das pessoas e das instituições. A Quaresma, para a Igreja, é um tempo propício para a conversão, momento favorável para refletir e propor mudanças ao sistema vigente numa sociedade que oprime e mata.
O lançamento da Campanha acontecerá com a Via Sacra pelas ruas do Centro de Vitória, com concentração às 15h30 em frente ao Palácio Anchieta, onde acontece a abertura oficial com a presença do nosso Arcebispo Metropolitano, Dom Luiz Mancilha Vilela. Em seguida todos seguirão em caminhada, pelas ruas da Cidade Alta, até a Praça Costa Pereira onde o evento será encerrrado. Na praça haverá exposição de produtos artesanais e alimentícios do Movimento de Pequenos Agricultores do Espírito Santo.
“A Via Sacra de abertura da CF será uma linda expressão de fé e conscientização”, afirma Padre Kelder José Brandão Figueira, Vigário Episcopal da Coordenação de Pastoral da Arquidiocese de Vitória. O evento pretende transformar as ruas do Centro de Vitória num grande espaço de manifestação de fé e cidadania. “A presença de todos é muito importante nesse momento celebrativo. Com Cristo, vamos conseguir alcançar nossos objetivos”, com essas palavras convoca a todos a participar.

Mais informações:

Alexandre Lemos – 9883-2809
Comunicação da C.F 2011.

Padre Kelder José Brandão Figueira – 3233-1897
Vigário Episcopal da Coordenação de Pastoral da Arquidiocese de Vitória.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

UM OUTRO MUNDO É POSSÍVEL

Entre a areia e o vento das ruas que atravessam todo o prédio da Universidade de Dakar foram transcorrendo estes três dias de Fórum.

Vemos uma variedade multicolorida de roupas e penteados circulando pelas distintas faculdades e tendas em busca de oficinas que são oferecidas para cada dia, segundo a temática. Estas embelezam a paisagem que estes dias tornaram o centro de um acontecimento e uma busca que desde há 11 anos vem mobilizando tantas e tantos seres humanos.

Milhares de pessoas… alguns dizem que somos 50000 entrelaçando palavras expressam em tantas línguas, experiências narradas, interrogações e desafios que vamos sintonizando entre pontos tão distantes de nosso planeta.

Anunciam que amanhã começam os espaços com uma metodologia de assembléias entorno a temas como: Mulheres: violência e tráfico de pessoas; Migrações: movimentos humanos; Economia solidária e Comércio Justo; Cultura e educação para a transformação; Movimentos Sociais; Direitos Humanos; África, tudo isso será realizado na parte da manhã.

Entre um e outro Fórum, vamos recolhendo algumas claves e também nestes dias lamentamos de que o que foi programado nem sempre foi realizado nem tampouco aconteceram nos lugares previstos...
Estamos num tempo de conclusões. Mesmo em meio aos limites da organização do FMS, nós estamos nos enriquecendo e medida que vamos transitando estas experiências.

Volto a constatar que somos muitos(as) os(as) sonhando com uma maneira diferente de habitar o planeta. Com o ritmo dos passos desta areia em Dakar, volto a sentir-me apaixonada pelo Reino, pela busca da justiça e da Paz, pela equidade para que todos(as) vivamos como humanos(as) e irmãos.
Por Ir. Norma Micolini

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

FSM em Dakar - Oficinas

Hoje, foi um dia dedicado a oficinas e nós Irmãs Azuis, presentes no Fórum Mundial Social e no Fórum de Teologia da Libertação, pudemos aproveitar da riqueza dessas experiências partilhadas.

Ir. Lurdes Anita Babi e Ir. Marie Justine AGBO apresentam uma síntese das oficinas das quais nós participamos.

Oficina: A saúde da África: Lurdes Anita Babi

A África baseia-se em muitos desafios social, econômico, político e espiritual e desenvolvimento sobre a saúde, mesmo havendo muitos movimentos e iniciativas para seguir e para ter uma boa saúde. Esta oficinas trouxe a realidade e as diferentes experiências feitas no continente.

Oficina: África e o clima: a resposta que quer.

O painel foi composto por 4 expositores, 2 teólogos do Kenia, 1 da Nigéria e 1 irlandês que viveu muito tempo no Kênia. Foi enfocado sobre o problema da AIDS, a prevenção, a cura e a mudança de hábitos.
Há dificuldades nos centros de saúde por causa da migração de médicos e enfermeiras(os) para os países de primeiro mundo.

As mulheres tem sido as principais vítimas, por isso falou-se como prepará-las a não contrair a doença e passar para os filhos, pois a mortalidade infantil é muito alta na África.
Qual então a contribuição que a Teologia da Libertação pode dar para estas questões? Uma teologia de acompanhamento, de cura, de Esperança. O Cristão deve ser uma pessoa cheia de esperança.
Há várias propostas para curá-la:
1. Nas tradições africanas: equilíbrio dos elementos naturais: produção e reprodução.
2. Mudança de atitudes e pensamentos e ações positivas, relações com a ecologia, recriando o que destruímos; alternativas a curto, médio e longo prazo.
A Mãe terra está viva, pode chorar, rir. Na África há muita pobreza, mas também muita luz. Aproveitar a riqueza dos povos, a relação que tem com outros povos.
A Mãe terra faz parte do bem comum, da humanidade.

Oficina: Diálogo entre Cristãos e Muçulmanos no caminho do Diálogo e da Libertação.

No primeiro momento, a oficina propõe uma relação entre Muçulmanos e Cristãos na África, para oferecer algumas metas por onde deve decorrer o diálogo teológico entre os crentes de ambas as religiões: a Cristologia da Libertação e a Teologia feminista.

Atelier: Fórum das Mulheres Africanas: Irmã Marie Justine AGBO

«As mulheres africanas » diante dos perigos da globalização e os desafios do governo mundial: que respostas darão após 50 anos de independência?

Somos várias Irmãs que estamos participando deste fórum formado por três ateliers:
1. Mulheres e Justiça Econômica
2. Mulheres e Sociedade
3. Mulheres, Democracia e Cidadania. Neste último atelier temos outros temas: « violência contra as mulheres e jovens »

É difícil às mulheres falarem sobre a violência que sofrem por várias razões. Algumas pensam que se são violentadas, é porque o merecem e que cometeram um erro. Outras, quando conseguem verbalizar seus sofrimentos não os colocam em questão. Elas se calam e vêem a violência como um destino. As mulheres estão sempre ameaçadas. Muitas mulheres, apesar de todas as violências que sofrem, afirmam: “é necessário que a mulher seja paciente, para poder guardar a família unida; ela só vai denunciar se for um estranho que a agrediu na rua...”
É necessário reforçar as capacidades da mulher no plano econômico, cultural, jurídico... Lutar contra a ignorância, formá-la no plano da defesa. Reforçar suas capacidades para que possa assumir plenamente seu papel e ter seu lugar na sociedade e que esteja presente nas instâncias de decisão.

O Fórum Social Mundial quer nos mostrar a outra face da mulher. A mulher deve tomar seu lugar na sociedade e não reivindicá-lo.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

A África se organiza, o Sénégal acolhe o Mundo!

O 11º. Fórum Mundial Social que tem como tema: “As crises do sistema e das Civilizações” iniciou hoje com a grande e colorida marcha nas ruas de Dakar. Contou com uma participação massiva de mais de 50 mil pessoas expressando sua diversidade e através de palavras de ordem, cantos ao som dos tam-tans expressando seu compromisso de construir juntos um outro mundo possível.

Pela manhã, às 9h30, numerosos fiéis, padres, religiosas, participaram da celebração Eucarística de abertura do Fórum. Presidida pelo Cardeal Sarr, na Igreja dos Mártires de Uganda e animada por três corais Senegaleses. Tivemos a sensação de estarmos vivendo um pouco daquilo que sonhamos, um novo céu e uma nova terra, uma grande irmandade, construindo paz., vivendo o amor.

Monsenhor Sarr foi muito profético em sua homelia. Partindo do texto bíblico de sermos Sal e Luz para o mundo (Mt 5, 13-16), ele convocou todos os participantes a se comprometerem pela justiça social. A Palavra de Deus de Isaías 58,7-8, lida na celebração, foi muito bem adequada ao projeto social que queremos construir com este Fórum:
“Partilha teu pão com aquele que tem fome, acolhe em sua casa o infeliz, sem abrigo, cobre aquele que está nu... Assim, tua luz ressurgirá como a aurora e tuas forças retomarão facilmente” (Is 58,7-8)